Os ingredientes da cerveja I: a água e o malte

Cervejas

Hoje é muito fácil saber que uma cerveja é feita de quatro ingredientes básicos: água, malte, lúpulo e levedura. Porém, apesar de poucos, esses ingredientes são muito importantes, pois possuem detalhes ou variações que, se não forem bem conhecidos, podem estragar a bebida. Um dos maiores cervejeiros e um dos mais renomados sommeliers da atualidade, Garrett Olivier afirma que produzir cerveja, em meio a tantas opções de ingredientes, é um processo incrível, uma vez que a produção padronizada e de qualidade é difícil de alcançar. Recentemente, em um de seus livros, o especialista afirma que fazer cerveja, para ele, é mais complicado do que fazer vinho, já que a complexidade dos ingredientes da cerveja é enorme.

Então, vamos ver o que há de especial em dois ingredientes básicos da cerveja: água e malte.

img4

Disponível em: https://goo.gl/XEuzC1.

Água

A maior parte da cerveja é água – 85% a 95%. É um ingrediente fundamental e tem influência direta na produção. A composição da água é responsável pelo resultado da cerveja, pois ela possui sais minerais e componentes químicos que podem trazer odores e sabores diferentes daqueles desejados. Por isso, conhecer a água e controlar a sua composição durante o processo de produção é importante para quem quer alcançar um produto padronizado e de boa qualidade. Vale ressaltar que a água não entra apenas na composição da cerveja, mas em várias outras partes do processo. Ela é fundamental na limpeza da cervejaria, na sanitização dos equipamentos, como meio de resfriamento do líquido após a fervura, dentre outros.

img8

Disponível em: https://goo.gl/KMWcE5.

Malte

Malte é o produto resultante de um processo denominado malteação. Pode parecer para os desavisados que a cevada, o trigo, o centeio e outros cereais utilizados na produção de cerveja entram na receita na forma com que são colhidos, mas não é bem assim. Para permitir o seu uso na produção, o cereal tem que fornecer a maior quantidade possível de amido. Por isso, eles passam pelo processo de malteação, na qual os grãos são levados a quase germinarem, o que lhes concede uma alta taxa de amido e ativa enzimas essenciais ao processo de transformação desse amido em açúcares fermentáveis.

img5

Disponível em: https://goo.gl/7omfP0.

Quando o malte não é especificado subentende-se que ele é de cevada, já que a maior parte do que é produzido vem desse cereal. Contudo, há maltes de vários outros grãos, tais como milho, trigo, centeio ou aveia.

Além de poder variar a sua procedência, ele também pode variar de acordo com a secagem e a tosta. Assim, o malte pode ser classificado como de base, especial, torrado ou caramelo (cristal).

A produção do malte é um processo complexo, delicado e repleto de detalhes que podem gerar um longo texto. Ele é responsável pelas características básicas da bebida, e sua variação dará individualidade e personalidade à cerveja que se quer produzir, além de fornecer aromas e sabores próprios.

img1

Disponível em: https://goo.gl/tkuXyz.

Compartilhe
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on RedditShare on LinkedInEmail this to someone

Notícias

Escolas cervejeiras

Hoje, quando se pretende estudar sobre cervejas, logo se pensa em partir para conhecer os estilos. Porém, antes disso, é »

VEJA MAIS

Os ingredientes da cerveja II: o lúpulo

Na produção de cerveja sempre foram usados temperos para dar sabor e minimizar o gosto azedo residual da fermentação do »

VEJA MAIS